domingo, 1 de março de 2009

Você tem sede de quê?


Ando com umas sedes insacíaveis; sede de arte.. sede de cultura.. sede de aprendizagem... sede de movimentação.. sede de mudança.. sede de descobertas... e nessa terra de calor intenso, ando com muita sede também de água fresca!
Não sei bem se sede ou fome... mas como água me soa (soa? eita palavrinha difícil!) mais vital.. fico com a primeira!
Quero sair por aí aprendendo tudo que tiverem prá me ensinar, e o que não quiserem me ensinar eu aprendo sozinha, afinal, como diz minha sábia mãe: "você não nasceu quadrada, se vira!"...
São tantas idéias nessa cabeça de vento que quase transbordam!
Eu quero poder misturar as coisas que gosto.. quero poder vivenciar mais de perto o que tanto me encanta os olhos... quero poder descobrir as coisas que estão escondidas por aí só esperando alguém encontrá-las.. como em um jogo de esconde-esconde.
Quero palavras simples.. quero pé descalço no chão.. quero poder voar (mesmo de mentirinha!).. quero aquilo que me engrandece a alma!
Sede! Sede! Sede!
Quero saciar!
Preciso!
Vou!
Voo!!!
Fui...

4 comentários:

Jorge disse...

Vai na fonte dos teus gostos e sacia a tua sede... de nascente em nascente.
Mata a tu sede, mas não mata a tu vontade de misturar tudo. De juntar tudo e transformar em algo lindo e dign ode tal beleza.

Adorei o texto... muitas coincidências.

Beijos

Ps.: Tomei a liberdade pra mim e te add aos meus vícios.

em mim em ti borboletamente amor disse...

Oi Ju, interesse total,trouxe já de SP uma educação, um condicionamento em estar sempre prestigiando “eventos temáticos em artes diversas“, há naquela cidade uma revolução artística acontecendo, tem sido muito amplo o acesso a todas elas e muitas delas de qualidade inquestionável, de preços baixos e lugares bem estruturados, eu morava ao lado do sesc pompéia, vi durante os anos muitas novidades, muitas vozes, cores, e musica de todos os cantos . Um paradigma cultural foi formado ali, claro que com a devoção de muitas pessoas, e também grana de CIA privadas, do governo. etc. Antes de vir, já ouvia historias sobre a estruturação da segunda semana de arte moderna, que seria próximo ao centenário da primeira.
Eu estudei musica e literatura, deixei o teatro de lado mas com um grande remorso, escrevi algumas cenas, mas meu desejo hoje é reativar a Cia que meu bisavo criou na década de 30, ele foi um grande ator e idealizador, faço uma pesquisa a fim de saber tudo o que eles encenaram, a metodologia, as cidades que iam com um velho caminhão que virava palco, tenho umas fotos que consegui da época que são valiosíssimas, ele com 65 anos, no palco, fazendo expressões talentosas e riquíssimas. È meu projeto mais valioso hoje em dia.
Aqui já conheci os teatros, vi ótimas peças, fiz uma oficina no Sesc, acho muito atrativo o trabalho dos vaga-lumes, o carnaval foi perfeito também, ontem fui no Bronze, um clubinho que me lembrou muito meus lugares preferidos de SP, tudo é recente pra mim, ainda reserva um sabor de novidade e de descobertas, não deixo espaços na minha agenda, visito os parques, os cinemas, hoje até uma reserva ecológica me dispus a ir, uma mudança assim exige um período de transição, sentir melhor o discurso, a estética, a sonoridade daqui.
Fez um linda transcrição do que eu certamente diria nesse espaço/tempo que são meus novos dias aqui. Um beijo.

Amauri Leite disse...

Bem Pão de Queijo, tu também pode comer uma melancia já que é uma bebida que mata a fome e uma comida que mata a sede, e também é baratinha (Risos).

Obs: Caracas que mundico olha o Djor lá em cima (Risos).

Amanda Pereira disse...

Ah eu também quero! Quero sempre, mudança, nada a toa, coisa bôa de fazer, pra aprender, beijo longo, filme bobo, histórias pra guardar, segredos pra compartilhar, muitas coisas, coisas assim... Tantas...